Elementais da Água

[Elementais da Água][bleft]

Elementais da Terra

[Elementais da Terra][twocolumns]

Aldeia dos Duendes


"Na encosta escarpada de um dos penhascos da costa ocidental de Thirlmere, existe uma grande colônia de duendes; vivem logo abaixo o nível do solo, mas passam o tempo tanto acima como abaixo da superfície. Avisto um certo número de casinhas minúsculas logo abaixo da superfície da colina.

O seu formato é absolutamente perfeito e em sua maioria são de madeira e cobertas com palha, apresentando janelas e portas. Espalham-se irregularmente pela encosta da colina. Entre elas, em meio às raízes e rocas que as circundam, pode-se ver inúmeras figuras de duendes. O que se segue é uma tentativa de descrever um deles, escolhido ao acaso.

Não ultrapassando mais de treze centímetros de altura, ele parece um velhinho, levando na cabeça um chapéu marrom talhado como uma touca de dormir e usando uma vestimenta também marrom, que consiste de um calção folgado, que os duendes parecem geralmente adotar, meias e botas. Seu rosto é coberto por uma barba acinzentada e transmite uma expressão de rusticidade antiga. Não se pode deixar de observar que eles simulam uma vida doméstica, muito embora eu não visse nenhuma figura feminina nessa aldeia de duendes.

Os duendes literalmente fervilham por essa encosta da colina e diferem muito pouco entre si quanto à aparência ou à inteligência. Parecem estar apenas "evoluindo" por aqui. Eles se diferenciam de todos os outros duendes que vi anteriormente pelo fato de não parecerem trabalhar em sintonia com qualquer processo da Natureza; embora venerem as árvores, não parecem em absoluto servi-las. Um deles aproxima-se de mim agora e, guardando uma distância de dois ou três metros à minha direita, passa a se "exibir", com gestos extravagantes e humor simplório.

É muito mais magro que os outros duendes que aparentam o aspecto de velhos, e dele se desprende uma sensação de "cor", um pouco de vermelho sobre o chapéu (que é cônico, com a ponta pendendo ligeiramente para atrás) e um pouco de verde em seu costume marrom. É com dificuldade que posso identificá-lo como um duende, pois seus pés acabam por se reduzir a um ponto, seus membros inferiores são mais finos e alongados e suas mãos grandes demais para o resto do corpo. Apóia a mão esquerda na cintura e com a direita aponta na direção da floresta, como se orgulhosamente exibisse as maravilhas do lugar: a esse orgulho acrescenta-se uma boa dose de presunção e de vaidades infantis. Seu rosto é bem barbeado e avermelhado, os olhos são pequenos, o nariz e o queixo pronunciados, a boca, já bastante larga, alarga-se mais para um arreganho. Seus gestos e a sua postura são surpreendentes, pois é tamanha a flexibilidade de seu corpo que ele pode dobrar-se e estirar-se em quase todas as posições.

Não consigo fazer com que ele se aproxime um pouquinho mais, pois de imediato começa a demonstrar apreensão. Parece inquieto, mas não, suponho, verdadeiramente atemorizado. A "aura" humana é dissonante para ele, e ao contato provavelmente perderia o equilíbrio. Por outro lado, constato como é etérea e frágil sua constituição, que possui menos consistência do que uma lufada de ar; não obstante, suas formas são claras e perfeitamente delineadas e todos os detalhes absolutamente nítidos.

Voltando novamente a minha atenção para a comunidade dos duendes e esforçando-me para apreender alguns detalhes de sua vida, certas peculiaridades se destacam. Por exemplo, uma tentativa de observar o interior de suas moradas revelou, para a minha surpresa, que elas não possuíam nada dentro, pois quando alguém passava pela porta, não havia nada lá! A fachada exterior é absolutamente perfeita e muito pitoresca, mas o interior é mais do que escuridão. Na verdade, a ilusão de uma casa desaparece inteiramente quando a consciência dirige a atenção para o seu interior.

Algumas linhas finas e ondulantes de magnetismo são tudo o que se pode ver. Os duendes, ao passarem pela porta, abandonam as suas formas de duendes e mergulham para o fundo da terra num estado relativamente uniforme. Todos parecem se julgar atarefados, precipitando-se pelo recinto com ares de seriedade, para mim, entretanto, tudo não passa de puro faz-de-conta. Parece não haver muita comunicação entre eles, sendo todos excessivamente auto-suficientes.

As casas não pertencem a nenhum indivíduo ou grupo, qualquer membro da colônia pode utilizá-las, limitando-se essa "utilização" meramente a passar para dentro e para fora através da porta. Certamente, eles sentem alguma satisfação em contemplar o exterior dessas casas. Entre os pertences desses duendes, não vejo nenhuma das ferramentas de trabalho, embornais ou aventais que notei em outras ocasiões. Parecem ser menos inteligentes e evoluídos, mas centrados em si mesmos e muito mais desprovidos de finalidade em sua existência do que quaisquer outros duendes com os quais já me deparei." O que Geoffrey Hodson descreve é uma descoberta de uma aldeia de duendes que nunca anteriormente tinha visto. O que posso acrescentar é que os duendes, assim como as fadas, podem se apresentar sob diversas formas, pois eles só são visíveis à nível ETÉREO (um estado mais sutil que o gasoso).

A matéria que os forma é tão sensível e fluídica que pode ser moldada por coisas tão tênues como o pensamento e o sentimento. Desse modo, a forma se determina imitando os elementos das plantas e dos animais, ou utilizando um molde tradicional; ou bem interceptando as modalidades do subconsciente humano. Assim, a aparência de todos os seres feéricos refletirá a freqüência de idéias preconcebidas que deles tenhamos. Portanto, não é anormal que suas formas sejam numerosas e variadas, porém se baseiam em uma diminuta figura humana que sempre possuem algum defeito, um traço ou membro exagerado.

http://www.flogao.com.br/fairylandy/blog/2462944
Poste Um Comentário
  • Blogger Comente usando Blogger
  • Facebook Comente usando Facebook
  • Disqus Comente usando Disqus

Nenhum comentário :


Oráculos

[Oráculos][threecolumns]

Cristais

[Cristais][grids]

Elementais

[Elementais][list]

Animais de Poder

[Animais de Poder][bsummary]