Elementais da Água

[Elementais da Água][bleft]

Elementais da Terra

[Elementais da Terra][twocolumns]

Téo, o Mensageiro de Avalon


Téo tinha nome de príncipe, mas era filho de ferreiro. Aos doze anos, trabalhava todos os dias ao lado do pai.

Ferravam cavalos e forjavam pás, além de instrumentos e armas. 

Na pequena oficina, Téo permanecia calado ouvindo o pai contar-lhe sempre a mesma história; as aventuras do rei. 

Artur e os cavaleiros da Távola Redonda - como o rei crescera sem saber que era herdeiro de um reino, como retirara a espada mágica colocada no meio da pedra pelo mago Merlim e assim descobrira seu verdadeiro destino. 

O menino ouvia as histórias diariamente e elas nunca perdiam o encanto. Mas às vezes entristecia porque dificilmente conseguia repeti-las com a fluência do pai. 
Quando tentava, gaguejava muito, as outras crianças riam e ele se sentia só e envergonhado. 

Por isso escondia-se atrás da colina. Ficava imaginando como seria viver entre magos e fadas, ser sábio e poderoso, ser filho de um rei. 

Mas depois sempre desistia , preferia ser pobre, gago e filho do velho Tomás, a quem amava profundamente.

Tomás o velho ferreiro, acreditava na lenda da fonte.




Dizia que anualmente Merlim e o rei Artur vinham visitar a colina e beber a água da fonte da vila. 

Na tradicional noite do meio do verão, Téo recolheu-se em sua cama com as costas feridas de tantas pedradas.

 Apagou a vela e passou a noite em claro tentando ouvir os ruídos da cavalaria do rei, conforme dizia a lenda. Quando as primeiras luzes da manhã começaram a surgir pela janela, Téo levantou-se da cama e decidiu sair. ,

Queria ficar só. Caminhando Téo ouviu o som de um pássaro. Sentiu uma leve brisa tocar-lhe a nuca. Olhou para os céus e viu as belíssimas asas de um falcão. Sorrindo, acenou para a ave. 

Subiu então o pequeno morro onde ficava o poço. Ao longe, percebeu um vulto arrastando-se em sua direção. A figura se movimentava muito, muito lentamente. As costas curvadas, os cabelos brancos e ralos, a barba fina e comprida. 




 O velho apoiava uma das mãos em uma bengala, e na outra carregava um caldeirão de ferro. O menino correu até ele, oferecendo-lhe auxílio. 

 - Obrigado, pequeno amigo. Poucos perderiam seu tempo com um velho como eu. Téo sorriu e o velho continuou: 

- Vejo também que você é muito inteligente. Mas há dor em seu coração. Temendo que o velho risse de sua gagueira, o menino não respondeu nada. 

Apenas ofereceu -lhe água que acabara de retirar do fundo do poço. O velhinho encarou o menino e disse: - Espere. Eu é que quero que você prove um pouco da minha água. O pequeno ferreiro sabia que tinha carregado um caldeirão vazio. Será que estivera falando com um velho louco? 

Ele lhe parecera tão normal! Mas quando Téo tocou o caldeirão viu que ele estava cheio de água mais límpida que já vira. 

Mergulhou o rosto nela e bebeu. Sua sede era enorme. Ele bebia, bebia, e a água parecia não terminar. Sentia as gotas acariciando sua garganta, enchendo seu corpo todo com tanta força, a mente com tanta clareza e compreensão . . . 

 - Merlim - disse o menino espantado, a voz soando tão pura e natural quanto à água que ele terminara de provar. - Merlim, é você! 

O manto azul voava e parecia não ter fim. As mãos agora eram fortes e repletas de anéis; no lugar da bengala, um cajado engastado de pedras preciosas. O rosto era jovem e o sorriso divertido. 

 Merlim levantou as mãos em um gesto que parecia alcançar os céus, e o pequeno ferreiro viu surgir atrás do velho poço um grande amontoado de nuvens, e, pairando sobre elas, uma pequena ilha ocupada por um castelo cujos portais lentamente se abriam.

 - Venha pequeno ferreiro. Quero que conheça o meu mundo. E que depois volte para sua terra e conte ao seu mundo as histórias da nossa tradição. Não deixe que se esqueçam de nós. O pequeno ferreiro nunca se esqueceu de sua viagem a Avalon. De seu encontro com o rei Arthur. 

 Da beleza da rainha Genoveva e do fascínio que sentiu diante de Morgana, a fada de sorriso irresistível e olhos negros, ariscos e perigosos. 

Já era quase meio-dia quando Tomás se espantou com a chegada do filho falando e rindo sem parar. - Você estava certo! - ele repetia. - É tudo verdade! Tomás sorriu e levou o menino até um canto da oficina onde havia uma mesa. Depois de empurrá-la abriu uma portinhola no chão. 

Dali retirou uma ferradura de prata. - Meu filho, quando se encontrar novamente com o rei Arthur, quero que lhe devolva isto. Eu já consertei. Depois abraçou o menino carinhosamente, entregou-lhe um saco de moedas de ouro e disse: 

- Agora parta e cumpra o seu destino. Muitos o aguardam. O mundo precisa de suas histórias. E foi assim que um pequeno ferreiro se tornou um dos mais importantes mensageiros de Avalon, cujas histórias continuamos a repetir, tantos anos depois. 

 ( História baseada na lenda inglesa de Cadbury Hill, século XVII )



http://www.contandohistoria.com/
Poste Um Comentário
  • Blogger Comente usando Blogger
  • Facebook Comente usando Facebook
  • Disqus Comente usando Disqus

Nenhum comentário :


Oráculos

[Oráculos][threecolumns]

Cristais

[Cristais][grids]

Elementais

[Elementais][list]

Animais de Poder

[Animais de Poder][bsummary]